Seguidores

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Onde estás minha Alma, minha Amada? (Carinhos a nossa rainha ...)





















Sempre estivemos próximas
e tão distantes!
Agora e antes.
Vagos instantes.
A Cruz nos unia
- e separava.
(Ah, como eu te amava,
como te amava!)
Por toda a estrada,
sempre sozinha,
sob tanto sol, tanta lua,
ah, doce Amada!...
Não foste minha,
nunca fui tua!
(A Rosa nunca foi ofertada.)
Ouro, preces e dores:
existiram, sim, luzes e cores
e... vazios lugares nefandos.
Momentos de chegada e partida.
Momentos de ternura e indiferença.
Tempo de diáfana presença,
tempo de uma flor sofrida.
Teus passos leves se afastando
nos laços breves... e cortando
meu pensamento. Atravessando
a Vida. Vida, minha Vida!
O que exiges de mim?
Por que tem de ser assim:
esse Amor sempre buscando
pelos espaços sem fim...
Vida minha! Até quando?!

NEFERTARI (Judit Martins)

Um comentário:

Dolores Quintão Jardim disse...

Pois é Leninha!
Nossa amiga Judit Martins, a que sabe escrever sobre o amor..

A que nos deixa arrepiada de emoção,todas as vezes que podemos ler algum dos poemas dela..

ela é tímida....esconde-se.

Mas sabe escrever tão bem!

Ela é linda, é divina , é RAINHA!