Seguidores

segunda-feira, 30 de julho de 2007

Regresso a Lisboa




O sonho era apenas um furacão
as armas voando
desintegrando as opções
beligerantes
e os senhores maus
as fortunas de ansiedade
pelo ódio acicatado
do orgulho
no raio que os parta
guerras sem ninguém
para derramar sangue
apenas que os senhores
da guerra na terra
se evaporem
apenas desapareçam
num estalar de dedos
num furacão de grau cinco
num vulcão ardente
de lava e consumidos
na sua estupidez
mas nem a morte lhes desejo
apenas que o façam de livre vontade
que nos deixem de restaurações
livres e em paz
sem as ânsias do lucro fácil
da escravidão encapotada
dos salários ordinários
dos que nada têm
apenas que se lançassem num buraco
negro ou sem fim
mas que nunca mais regressassem
para que as guerras fossem sem ninguém
para que o ódio
fosse em sentido figurativo
para que vivêssemos!

Desapontamento total
mas ainda assim quero viver
e conhecer a restauração
mas da liberdade do mundo


*palavras com música da Sétima Legião e as Guerras da Restauração em pensamento...


--

Publicada por Manuel Marques em Regresso a Lisboa




Ia sempre de vermelho adolescente e nas enchentes
nem punha os pés no chão e à volta pouco ou nada
a civilização ainda não tinha chegado
só do outro lado lá em baixo

Mas nos gloriosos anos 80 o mestre Pomar perfumou
com a sua arte em pose divina
as paredes da Estação do Metro
do Alto dos Moinhos
mas o que me lembro era das aulas
que dava em curvas e contra-curvas
a escarnecer por dentro e à espera
que parecesse um qualquer louco
em sentido contrário para travar de repente
e rir feito louco para a minha vitima
ah mas a paciência tinha que ser minha
minha e só minha que a vitima só pulava na travagem
e o outro no outro carro ria-se a bandeiras despregadas

Mas quando descia para o Metro
e via o Bocage ao lado do Camões
o Almada de braço dado com o Pessoa
e melhor que tudo o Pomar a grafitar
só lhe faltava o skate e umas calças descaídas
mas quem se aproveitou disso foi a Gulbenkian
e fez uma exposição séria, como sempre
mas lá em cima eu tentava entrar no Estádio do Benfica
sem, conseguir sequer pôr os pés no chão
e ainda não tinha chegado a civilização...

Bairro Alto dos Moinhos
muitas vezes andei por lá... a ensinar muita gente que anda por aí a conduzir, aquele bairro que vai dar à Cruz Vermelha divertia-me sobremaneira pela dificuldade e pelos sustos que provocava aos alunos... ah saudades do que hei-de voltar a ter!


'...no Alto dos Moinhos há o Auditório. É um espaço para todos os eventos! '










.................................................................................................
e depois de ficar à espera dos amigos que vieram de um sessão no Auditório no Alto do Moinhos, diziam eles que era a Luz que viam ao longe... eu por mim queria era seguir para o Jardim Zoológico... bora lá?
..................................................................................................



Alto dos Moinhos











Eu bem procuro
nas pontes, subindo e descendo
no Estádio da Luz e a descer
subo e recolho novas informações
procuro e torturo as minhas pernas
e mesmo no Colégio dos Maristas
meninos e meninas bem
em frente das barracas
e curvas e mais contra curvas
onde estão o raio dos moinhos?



E música querem música? ...há por lá um Museu da Música... visitem-no!!!

--
Publicada por Manuel Marques em Regresso a Lisboa


Parece estação fadada para ensejo
jovens a correr pelo campo
podendo levar a família para Lisboa
boa vontade que não encontra
trazendo as mágoas ao colo
longe a vida de rumores infames
mesa para cinco pensa ele no restaurante
temendo não ter as sardinhas no fim da viagem
em formigueiro pela boca abaixo e a secura
curado das impuras tentações de falar mal
além do desejo de andar no Metro
tropeçando na barraca do Chico
compra uma maçaroca à Maria Salva Um de Cada Vez
vez de viajar sentado porque é a primeira estação
e ainda ninguém se acotovela
larga tudo lá em baixo bem longe da confusão
São como eu te amo vamos andar de Metro!

4 comentários:

carmen fossari disse...

BELISSIMO TEXTO POSTADO. oBRIGADA .. POR PROPICIAR ESTE DELEITE.
bEIJIM
Carmen Fossari

Dolores Quintão Jardim disse...

Carmen,amiga...este texto é de um grande e querido amigo de Portugal,o nome dele é Manuel Marques...Foi-me enviado por ele,e achei que mais pessoas deveriam ter o prazer de ler e apreciar a arte de escrever de Manuel Marques.
Obrigada,pela visita.
Grande beijo!

maria tereza disse...

..lindo texto...de MANUEL!!!!devia ser + divulgado..pois a kalidade e otima!!!!

Manuel Marques disse...

Muito obrigado pela gentileza amiga Dolores!

Abraço!