Seguidores

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

FESTIVAL JOÃO JACINTO

Resto de Gente
«««««««««««««««««««««««««««««««««««««
Sou pedaço de vida,
deitado na sombra de uma multidão,
sou força vencida,
mergulhada e perdida em desilusão,
sou dor viciada,
de choro e de pranto sem poder fugir,
sou no sofrimento,
o espelho do tempo, sem nunca o medir.
Sou desgosto secreto
e incompreendido na palavra sim,
sou um resto de gente,
vergado ao silêncio, não se riam de mim,
sou pobre enjeitado,
em nudez de encanto carrego minha cruz,
sou um fado pesado,
sou compasso trinado, sou um canto sem luz.
Se digo o que sinto,
se minto o que sou, não o faço por querer,
não me disfarço e me escondo,
no falso sentido do que acabo por ser.
Se me dou e me desfaço,
se luto esquecido e vivo insatisfeito,
sou no cinzento tristeza,
verbo conjugado no pretérito imperfeito.
Sou um rio parado,
sem margens, sem leito, sem fundo, sem foz...
Uma barca sem remos,
sem redes, sem leme, sem velas, sem nós...
Sou tarde poema,
de versos sem rima, lento de se pôr,
sou no nevoeiro,
o que desaparece e se apaga de cor.
Sou um resto de gente,
o que sobra do início, o que falta para o fim,
vergado ao silêncio, não se riam de mim.
«««««««««««««««««««««««««««««««««««««
joão m. jacinto (in Recantos da Lua)
«««««««««««««««««««««««««««««««««««««

Um comentário:

Manuel Marques disse...

Esse livro tenho-o na minha prateleira devidamente autografado e é perfeito!

Aproveito para te informar que tens um prémio à tua espera aqui:

http://regressoalisboa.blogspot.com/2009/02/regresso-lisboa-recebeu-o-premio-vale.html

Beijinhos!