Seguidores

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

"O Sertão também tem Pai"



O SERTÃO TAMBÉM TEM PAI

Tava eu lá no sertão
com a água da boca a secar.
Não via sombra na terra
nem via nuvens no ar.

Meu corpo desfalecia
a medida que o sol aquecia.
Metia a língua nas gotas
do suor que do rosto descia.

Meu amigo Alazão,
pangaré do meu sertão,
trupicava entre as pedras
e os joelhos iam ao chão.

E de repente eu ví,
a morte rondando minha vida.
Cubrí o lombo assustado,
querendo esconder as feridas.

Mas era frágil a força
que um dia me pôs de pé.
Juntei minhas mãos calejadas
e então orei com fé.

Pedí pro Dono do Mundo
e Pai de todo Sertão,
que tivesse dó de mim
e do meu amigo Alazão.

Nessa hora quis chorar
mas até as lágrimas secaram.
No céu baixou uma sombra
e os urubús nos rodearam.

Eu falei:
-Meu Deus do céu!
Que tamanha judiação!
Vou morrer comido vivo
na quentura do Sertão!

Mas a fé que tem o homem
é maior que a desgraça.
Enquanto eu orava eu via
os restos de outras carcaças.

Abracei o meu pangaré
e larguei nas mãos de Deus!
Só ia junto com a morte
se fosse pros braços Seus!

E foi aí que eu avistei
uma nuvem em forma de braço.
E dela desceu uma chuva
que regou o meu cansaço!

Tão cheio de misericórdia
de joelhos fui ao chão!
-Piedade,Pai, se achei,
que um dia abandonaste o Sertão!

(Mell Glitter)

2 comentários:

Mell Glitter disse...

Querida e amada amiga Dolores

Quero deixar aki registrado, o quanto te admiro e gosto!Vc é uma pessoa muito especial que tem o meu carinho mais sincero.
Muito obrigada pela postagem do meu poema...Pode ter certeza de que fiko super feliz!
Te adoro muito!

Bjnhus

Dolores Quintão Jardim disse...

Mell!

Querida..já te coloquei outras vezes aqui,adoro você,há muito tempo admirava teus poemas, e quando te conheci pessoalmente na Casa das Rosas,foi uma enorme emoção..fiquei tão feliz, que não conseguia falar contigo !rs.

Apenas te disse:"Admiro teus poemas".

Obrigada, querida Mell pelo carinho!

Eu te admiro!

E te adoro!

Beijinhos.